Ainda Não te Registaste? Clica aqui para o fazeres é Gratuito

Índice do Fórum www . Bombeiros - Portugal . net
www . Bombeiros - Portugal . net
O Ponto de Encontro de Todos Os Bombeiros
 
   Página InicialPortal AlbumAlbum  PortalForum FAQFAQ   PesquisarPesquisar   MembrosMembros   GruposGrupos   CalendarioCalendario  Lista de utilizadores BanidosLista de utilizadores Banidos   RegistarRegistar 
 Recomendar site a um amigoRecomendar  PerfilPerfil    Ligar e ver Mensagens PrivadasLigar e ver Mensagens Privadas    EntrarEntrar  Ocorrências ActivasOcorrências Activas  Ocorrências ActivasRisco de Incêndio   LinksLinks   Links>Chat 
 Envie NoticiasEnviar Noticias  VideosVideos  EventosAdicionar Eventos  EventosEnviar Fotografias


O TREINO


 
Novo Tópico   Responder a Mensagem    Índice do Fórum www . Bombeiros - Portugal . net -> Cinotécnia


Ver mensagem anterior :: Ver mensagem seguinte  
Autor Mensagem
ViPeR5000(Rui Melo)
Site Admin


Sexo: Sexo:Masculino
Registrado em: 11 Jun 2006
Mensagens: 2318
Local/Origem: Mealhada

MensagemColocada: Ter Ago 11, 2009 11:16 am    Assunto:
O TREINO
    Responder com Citação

O treino de um cão de busca e salvamento requer uma equipa mínima de três indivíduos:



- O cão

- O guia

- O auxiliar



Mais tarde será necessário outra pessoa, que é o “Ajudante” do guia ou auxiliar, que poderá ser a mesma pessoa que tem feito de vitima para o cão.



Antes de iniciar uma sessão de treino (busca, obediência, obstáculos, etc.) à que ter em conta uma série de factores que podem definir o êxito ou o fracasso da mesma:



- O MÉTODO APLICADO E A SUA PROGRESSÃO LÓGICA que varia em função de:



. Personalidade do treinador



. Carácter do cão



. O tipo e o nível de motivação ou impulso do cão



- A MOTIVAÇÃO como coluna vertebral da educação e do treino, vai-nos permitir que o cão relacione a ordem com a sua atitude, por ele devemos mantê-la sempre num nível óptimo, para que o cão não perca interesse por obter o seu prémio.



- ADMINISTRAÇÃO DE RECOMPENSAS E DE SANÇÕES:



. Recompensar imediatamente depois do trabalho bem realizado



. O esforço deve ser sempre proporcional à dificuldade do exercício realizado



. Sempre que castiguemos uma acção, devemos estar seguros que o cão entende porque é que o estamos a corrigir



. O tipo de recompensa variará em função das preferências do cão (mordedor, bola, biscoito, carinhos, etc.)



- OS COMANDOS DEVEM SER:



. Sempre os mesmos



. Em tom firme e calmo



. Com a entoação adequada, quer dizer:

Claros e precisos nas ordens
Fortes e bruscos na correcção

Calorosos e alegres na recompensa



- O GUIA NO TREINO DEVE SABER:



. Se o seu cão está psiquicamente ou moralmente em condições de se confrontar com um determinado exercício



. Deve saber apreciar a dificuldade do exercício em função da idade e da experiência do seu cão



. Detectar e emendar os erros antes que estes se instaurem



Durante o decorrer do treino, tudo deve estar programado, pelos conhecimentos do monitor, o qual deve fazer-se entender pelo seu aluno.

O guia deve conhecer e analisar o comportamento do seu cão e aplicar os conhecimentos e normas gerais da educação. Devemos ter em conta que nenhum cão nasce ensinado, tudo é fruto de uma perfeita compreensão do cão e de uma evolução lógica, progressiva, constante e programada, que nos permitirá levá-lo a um nível óptimo de rendimento e efectividade.


PLANIFICAÇÃO DE UMA SESSÃO DE TREINO

Antes de iniciar o ensinamento de um cão, é necessário adquirir uma série de bons hábitos, que nos ajudaram a centrarmo-nos no trabalho. Trata-se de estabelecer umas normas básicas de comportamento que nos predisponham a um determinado tipo de tarefas.



- ESTRUTURAÇÃO DO TREINO

- Antes de começar, analisaremos o exercício e teremos que ter bem claro como o vamos planificar e desenvolver. Devemos comentá-lo e deixá-lo bem claro com as pessoas que vão participar nele.



- Quando tirarmos o cão da sua transportadora, falaremos com ele calmamente e depois iniciaremos uma comunicação agradável e rotineira (predisposição positiva).



- Em seguida levaremos o cão para os terrenos próximos do local de treino, para ele fazer as suas necessidades.



- Dirigimo-nos para o local de treino, relaxamo-nos e centramo-nos no exercício que vamos realizar.



- Devemos prestar especial atenção durante as sessões de treino para captar todas as mensagens que o nosso aluno (cão) nos envie, e que serão os melhores indicadores para decidir como devemos proceder em cada ocasião. Esta informação será dada por pequenos sinais de linguagem gestual.



- As sessões de treino devem ser de curta duração, ao inicio não mais de 10 a 15 minutos, que deverão ser intensos e de alto rendimento. O tempo e a dificuldade deverão incrementar-se pouco a pouco, segundo vamos subindo de nível.



- Uma vez finalizada a sessão de treino, relaxaremos a situação (para nós e para o cão), estando com ele calmamente durante um pouco de tempo, dando-lhe carícias, palavras de satisfação e depois o deixaremos só no seu lugar de descanso.

- Uma ou duas sessões por dia serão suficientes, conforme o grau de dificuldade e nível em que o cão se encontra e descansaremos dois a três dias por semana.



- REGULARIDADE



O cão deve levar uma vida homogénea que contribuirá para um bom equilíbrio psicológico. A regularidade contribui para a segurança e estabilidade do ensinamento, proporcionando uma personalidade sólida e um bom equilíbrio emocional. Quando há regularidade nos treinos ou existe mudanças bruscas de metodologia, o desequilibro e a confusão poderão afectar o cão.



- NÃO ACELERAR O TREINO



É de grande importância não acelerar as fases de aprendizagem, já que estas terão distintas durações em função do trabalho que é para desenvolver e da capacidade de cada indivíduo (cão). É importante ter em conta que, durante a fase de aprendizagem, saltar-se alguns passos, poderá ter más consequências no futuro. Os erros cometidos no passado e que deixámos de lado por comodidade, iremos pagá-los com alto preço quando menos esperamos já que, quando aparecem já é demasiado tarde e então daremos conta de que fizemos do nosso cão “Um gigante com pés de barro”. Esse defeito que um dia não prestámos atenção e que passámos por cima dele, acompanhará o nosso cão para toda a vida operativa e poderá provocar uma falha quando menos esperamos.





A OBEDIÊNCIA



É a base de qualquer modalidade de trabalho. Uma obediência bem elaborada que promova no cão o respeito pelo guia, e não o medo, é necessária para o controle em qualquer situação. Um domínio inadequado do guia pelo cão, pode por em perigo a integridade física do cão e prejudicar em geral o desenrolar de uma operação.







Os exercícios necessários a realizar são:



- Caminhar junto, com e sem trela

- Posição de deitado, sentado e de pé

- Chamada com e sem distracções

- Quieto num determinado local, com e sem distracções

- Ordens à distância – deitado – sentado – interrupção de marcha – subir e descer – envio em frente – esquerda e direita







Deverá também realizar:



- O uso do açaimo sem resistência

- Resistência a ruídos bruscos e fortes na ausência do guia

- Indiferença a outros cães e pessoas

- Ladrar à ordem

- Pista de obstáculos







4 – FASES DO TRABALHO


A MOTIVAÇÃO



A motivação é primordial antes de começar o exercício (obediência, busca, pista de obstáculos, trabalho de instintos, etc.)

O cão vai trabalhar principalmente para obter o jogo e satisfazer o seu instinto. Os cães jovens serão mais fáceis de educar e canalizar, já que trabalhando a motivação no cão desde muito jovem, conseguiremos que fique a gostar com grande epicentro, características geológicas e topográficas do terreno, e com as estruturas edificadas.">intensidade do motivador (mordedor, bola, brinquedo, etc.), mantendo sempre um nível óptimo de excitação.





A EXECUÇÃO



Antes de se lançar o cão na busca do guia ou de outra pessoa, ele deve estar preparado da seguinte forma:



- Passarmos a trela à volta do pescoço

- O guia deve manter o cão entre as pernas até que a vitima o motive

- Antes de o mandar em busca, tirar a coleira e em simultâneo, soltá-lo dando a voz de “busca”.

Nas primeiras vezes o exercício será à vista, até que o cão se mecanize. Não devemos esperar que nas primeiras vezes o cão o faça perfeito e iremos variando gradualmente a dificuldade em função da experiência que ele vai adquirindo.

A sessão terminará sempre com um exercício fácil para o cão.


A RECOMPENSA

Todo o exercício deve ser concluído com uma recompensa, de maneira que o cão relacione sempre com um evento agradável.



A quantidade de recompensa deverá dosear-se em função da dificuldade do trabalho realizado.



À que ter em conta que a obtenção da recompensa reduz sempre o nível de motivação.

A EVOLUÇÃO

Devemos estabelecer os treinos, aumentando ou diminuindo a dificuldade em função da assimilação que o cão tenha das situações.

Por exemplo:

- Busca do guia

- Busca o guia e um estranho

- Busca um estranho



Devemos tomar nota das falhas, das dificuldades do cão durante cada sessão, para observar de forma objectiva e prolongada a sua trajectória e evolução.

5 – PROCESSO DE CONDICIONAMENTO E MECANIZAÇÃO

O primeiro processo associativo que condiciona um cão de trabalho, é o “ambiente” prévio aos treinos, que se forma entre os participantes.

Correspondentes ao “Condicionamento Clássico”, elementos como o uniforme, o capacete, os elementos do grupo, tipo de transporte específico, etc., são os elementos comuns, aos exercícios de prática. Estes condicionamentos proporcionam a “antecipação” do treino ou operação, depois de sucessivas repetições (treinos).

As primeiras sessões de treino, deverão ser realizadas num horário que, de forma natural, sejam as mais propicias para os cães; ao entardecer ou de manhã cedo.



Devemos também ter cuidado para que não tenham comido umas horas antes do treino, já que está demonstrado que uma adequada sensação de fome, intensifica o estado de alerta e desperta os sentidos do cão, como faria também no seu estado selvagem.



As sessões e o programa de treino, deverão responder em todo o momento a qualificativos coerentes e sistemáticos.

- Coerente com a idade do cão, sua experiência, evolução, etc.

- Sistemático na aplicação restrita da metodologia, onde a evolução deve ser paulatina e lógica



O treino de busca é um processo de aprendizagem que acontece a favor do instinto, ao contrário da obediência e de outros desportos que reprimem o cão e o controlam. As sessões devem ser a todo o momento uma experiência positiva e agradável, carentes de pressão e obrigação, sobretudo durante a fase de iniciação.


PROCESSO DE MECANIZAÇÃO



O primeiro requisito que o cão deve cumprir para iniciar a sua formação em busca e salvamento é saber ladrar à ordem, para obter o motivador. Uma vez que já sabe fazer isso, procederemos à mecanização do exercício de sinalização.



Alguns cães executam espontaneamente a busca do seu guia e ladram ao não conseguirem aceder ao local onde este está escondido, de qualquer maneira, devemos induzi-lo sempre à execução correcta do exercício.



Esta mecanização, baseada ou não numa conduta espontânea, se repetirá sistematicamente para obter uma resposta instrumental de busca e sinalização de uma pessoa.



O processo de aprendizagem, compõe-se por uma parte de “Condicionamento Clássico” e por outra de “Condicionamento Instrumental”.



1 – Aprendizagem da fixação


MOTIVAÇÃO + COMANDO => BUSCA => DESCOBERTA => REFORÇO

(ESTIMULO)

E.I. R.I. E.I.





2 – Aprendizagem da fixação e sinalização da vitima



MOTIVAÇÃO + COMANDO => BUSCA => DESCOBERTA + ORDEM =>

(ESTIMULO)

E.C. R.C. E.C.
=> LADRIDO => REFORÇO



Como se pode observar, o processo requer uma iniciativa prévia (atitude de busca) do cão, suscitada pelo interesse que desperta na vitima simulada. O impulso de busca no cão é desencadeado por um estímulo chave, que pode ser bem, o guia, ou o objecto desejado pelo cão. No primeiro caso, o cão raciocinará ante a distância do seu guia, tendo a necessidade de encontrá-lo por dependência.



No segundo caso a vitima mostrará ao cão o motivador, desencadeando neste o desejo de alcançá-lo e portanto o impulso necessário para o procurar, porque ele levou o brinquedo. O resultado do exercício dependerá da ligação que tenha o cão com o seu guia ou o desejo que tenha de conseguir o seu brinquedo.



Se a aprendizagem for correcta, a mecanização dará como resultado a seguinte sequência:



ESTIMULAÇÃO => BUSCA => DESCOBERTA => LADRIDO => RECOMPENSA



A repetição sistemática destes exercícios, deve efectuar-se em “furos” diferentes. Se não o fizermos, estamos a cansar e saturar o cão e com o tempo perderia o interesse e deixaria de trabalhar. Não obstante, não deveremos passar dum ponto a outro, sem que o cão tenha executado correctamente o exercício anterior.

A dificuldade deve-se incrementar racionalmente de forma a evitar o “cansaço específico”, ao variar o tipo de exercício, aplicando uma dificuldade gradual, criaremos um aliciante para que o cão se divirta a trabalhar. Se nos excedermos no nível de dificuldade, iremos causar o efeito contrário, o cão não compreenderá o exercício e ficará frustrado se não obter a recompensa na devida altura e como consequência, diminuirá a sua motivação.

Do mesmo modo, um cão com um nível avançado e que trabalhe sempre no mesmo terreno e nos mesmos esconderijos, ficará cansado e saturado (pois todo o trabalho que executa é por memória).


Fonte http://br.geocities.com/resgatecanino/documentos/treino.htm

_________________
O que não me Mata torna-me mais forte.


I'm the ViPeR5000, always faster than you..
Voltar ao topo
Google
AdSense






Posto:
Corpo de Bombeiro: Bombeiro-Portugal

MensagemColocada: Ter Ago 11, 2009 11:16 am    Assunto:
Click Aqui para Ajudar O site
   





Cursos: Técnicas de Socorrismo, Salvamento e Desencarceramento, Combate a Incêndios para equipas de 1ª Intervenção, Fenomenologia da combustão e agentes extintores , Manobras de Apoio á Extinção de Incêndios Urbanos e Industriais / Tripulante de Ambulância de Socorro
Voltar ao topo
Mostrar os tópicos anteriores:   
Novo Tópico   Responder a Mensagem    Índice do Fórum www . Bombeiros - Portugal . net Cinotécnia Todos os tempos são GMT
Página 1 de 1

 
Ir para:  
Neste fórum, você Não pode colocar mensagens novas
Não pode responder a mensagens
Não pode editar as suas mensagens
Não pode remover as suas mensagens
Você Não pode votar neste fórum
Você não pode anexar ficheiros neste fórum
Você não pode baixar ficheiros neste fórum



Powered by phpBB © 2001, 2005 phpBB Group
Layout por ViPeR5000
Googlepage: GooglePullerPage
eXTReMe Tracker


CSS Valid PHP Valid CSS Valid
server monitor

[ Time: 0.1718s ][ Queries: 28 (0.0154s) ][ Debug on ]