Ainda Não te Registaste? Clica aqui para o fazeres é Gratuito

Índice do Fórum www . Bombeiros - Portugal . net
www . Bombeiros - Portugal . net
O Ponto de Encontro de Todos Os Bombeiros
 
   Página InicialPortal AlbumAlbum  PortalForum FAQFAQ   PesquisarPesquisar   MembrosMembros   GruposGrupos   CalendarioCalendario  Lista de utilizadores BanidosLista de utilizadores Banidos   RegistarRegistar 
 Recomendar site a um amigoRecomendar  PerfilPerfil    Ligar e ver Mensagens PrivadasLigar e ver Mensagens Privadas    EntrarEntrar  Ocorrências ActivasOcorrências Activas  Ocorrências ActivasRisco de Incêndio   LinksLinks   Links>Chat 
 Envie NoticiasEnviar Noticias  VideosVideos  EventosAdicionar Eventos  EventosEnviar Fotografias


Movimento Internacional da Cruz Vermelha


 
Novo Tópico   Responder a Mensagem    Índice do Fórum www . Bombeiros - Portugal . net -> Cruz Vermelha Portuguesa


Ver mensagem anterior :: Ver mensagem seguinte  
Autor Mensagem
legionnaire



Sexo: Sexo:Masculino
Registrado em: 21 Mar 2007
Mensagens: 21
Local/Origem: Águeda/Coimbra

MensagemColocada: Qua Out 29, 2008 8:21 pm    Assunto:
Movimento Internacional da Cruz Vermelha
    Responder com Citação

1859 - Batalha de Solferino

As origens do Movimento remontam a 1859, quando Henry Dunant - um cidadão suíço - assistiu à sangrenta Batalha de Solferino. Essa batalha foi travada no norte de Itália, entre o exército imperial austríaco e as forças aliadas de França e da Sardenha e da qual resultaram 40 mil vítimas mortais.

Henry Dunant rapidamente reuniu mulheres das aldeias mais próximas para que prestassem auxílio humanitário às vítimas da guerra.

1862 - Henry Dunant publica
"Recordação de Solferino"

Em 1862, Dunant publicou "Recordação de Solferino", onde, além de escrever as suas memórias da batalha, propôs algumas soluções políticas e lançou, desde logo, o repto para a criação de sociedades nacionais de auxílio humanitário e de regras mínimas a serem respeitadas em tempo de guerra. Desde essa altura ficaria traçado o caminho para as futuras Convenções de Genebra.

1863 - Comité Internacional de Socorro a Feridos

Em Fevereiro de 1863, quatro cidadãos juntaram-se a Dunant para levar a cabo um projecto de constituição do "Comité Interna-cional de Socorro a Feridos", que, mais tarde, viria a ser designado "Comité Internacional da Cruz Vermelha".

1863 - Carta da Cruz Vermelha (10 Resoluções)

Em resposta ao convite do Comité, especialistas de 16 países reuniram-se em Genebra, em Outubro de 1863, para adoptar as 10 Resoluções que formaram a Carta da Cruz Vermelha. Estavam, pois, definidas as funções e os métodos de trabalho para socorro a feridos. A partir desse momento, a Cruz Vermelha tornou-se uma realidade.

Foi também adoptado o emblema da Cruz Vermelha.

1864 - Conferência Diplomática

A Conferência Diplomática de 1864, celebrada em Genebra, dá lugar ao nascimento do Direito Internacional Humanitário, com a assinatura da I Convenção de Genebra. Esta Convenção supõe a materialização de um marco jurídico, dentro do qual se podia desenvolver uma acção efectiva de socorro aos feridos. As instalações médicas militares, os veículos e o pessoal sanitário, deviam ser considerados neutros e, deste modo, protegidos.

Este primeiro convénio foi-se adaptando às diferentes circuns-tâncias que as novas formas de combate iam impondo até che-gar às quatro actuais Convenções de Genebra de 1949 I Con-venção de 1864 - Melhoria das Condições dos Feridos e Doentes das Forças Armadas em Campanha; II Convenção de 1906 - Melhoria das Condições dos Feridos e Doentes das Forças Armadas em Campanha no mar; III Convenção de 1929 - Tratamento dos prisioneiros de Guerra; IV Convenção de 1949 - Protecção dos Civis em Tempo de Guerra) e os seus Protocolos Adicionais de 1977 I Protocolo - Conflitos Armados Internacio-nais; II Protocolo de 1977 - Conflitos Armados Não Internacio-nais).

1879 - Criação do emblema do Crescente Vermelho

Ao emblema da Cruz Vermelha juntou-se o Crescente Vermelho em fundo branco na sequência da guerra entre a Rússia e a Turquia.

1919 - Liga das Sociedades da Cruz Vermelha (Henry Pomery Davison)

A I Guerra Mundial mostrou claramente a necessidade de uma estreita cooperação entre as Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha que, através das suas actividades em prol dos prisioneiros de guerra e combatentes, atraíram milhões de voluntários e construíram um corpo bastante experiente.

Foi o Presidente do Comité de Guerra da Cruz Vermelha Norte -
- Americana, Henry Pomery Davison, que propôs uma Conferên-cia Médica Internacional (Abril 1919, Cannes) para federar as Sociedades da Cruz Vermelha dos diferentes países numa organização comparável à Liga das Nações, com vista a garantir uma permanente assistência nas áreas da saúde, prevenção de doenças e alívio do sofrimento.

Em 5 de Maio de 1919 é criada a "Liga das Sociedades da Cruz Vermelha" com sede em Paris. Desde 1939 que a sede passou a ser em Genebra.

1983 - Liga das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho

A Liga muda o seu nome para "Liga das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho", visto a Sociedade Nacional iraniana ter adoptado o emblema do Crescente Vermelho em 1980.

1991 - Federação Internacional da Sociedades da Cruz Verme-lha e do Crescente Vermelho

A designação voltou a mudar para "Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho", com vista a melhor representar o carácter internacional da organização.


Jean Henry Dunant (1828-1910)

Jean Henry Dunant nasceu em Genebra no dia 8 de Maio de 1828.

Nascido no seio de uma família próspera, respeitada e preocupada com os problemas sociais e o bem estar da comunidade, Dunant, desde tenra idade, foi imbuído pelo espírito caritativo dos seus progenitores. Alertado, assim, para os problemas dos mais pobres e humildes ocupava os tempos livres em seu benefício, oferecendo-lhes apoio material e espiritual. Foi membro da Igreja do Despertar, da Liga da Caridade e da Associação Cristã de Moços de Genebra.

Iniciou, em 1853, a sua carreira profissional como banqueiro. Posteriormente, investe todos os seus bens na Argélia, colónia francesa, em moinhos de milho. Uma viagem de negócios, com vista a obter de Napoleão III, Imperador de França, autorização para a sua empresa explorar as quedas de água necessárias ao movimento dos seus moinhos, torna-o testemunha de uma sangrenta batalha entre os exércitos austríaco, francês e italiano.

A visão deste campo de batalha, conhecido por Batalha de Solferino, juncado de milhares de mortos sem sepultura e feridos padecendo de atrozes sofrimentos e entregues ao mais completo abandono, sensibilizou Dunant. Tocado por uma imensa piedade, organiza, de imediato, numa das Igrejas de Castiglioni, um hospital improvisando socorros voluntários com o apoio dos habitantes.

Reflecte sobre as causas desta miséria humana e decide, em 1862, alertar os seus contemporâneos com uma memória - "Un Souvenir de Solferino". Nesta obra, em que descreve um episódio emocionante e fatídico da História e a realidade cruel dos campos de batalha, lança um apelo à consciência humana sugerindo a criação de sociedades nacionais voluntárias de socorro. Esta obra, com impacto imediato, desencadeou um movimento internacional no sentido de suprir as deficiências dos serviços sanitários nos campos de batalha.

A dedicação ao trabalho humanitário em que se envolvera fê-lo descuidar os seus negócios. Abre falência e perde a sua respeitável posição de cidadão de Genebra. Caído em desgraça na sua cidade natal, exila-se em Paris, onde, conservando a fé nos seus ideais, luta, com todas as suas forças, por causas nobres, muitas das quais vingarão anos após a sua morte.

Esquecido, pobre e enfermo é internado num hospital em Heiden, Suiça, onde permanece nos restantes dezoito anos da sua vida. A sua solidão só é quebrada, em 1895, com a visita, ocasional, de um jornalista - Baumberger que, emocionado com a sua história, publica um artigo que altera a atitude do mundo para com Dunant e lhe dá um novo alento, ajudando-o a esquecer a humilhação que sofrera.

Em 1901, reconhecendo-se o seu valor, é agraciado com o primeiro Prémio Nobel da Paz. À data da sua morte, 30 de Outubro de 1910, então com oitenta e dois anos de idade, o prémio estava intacto e destinado, por testamento, ao pagamento das suas dívidas e a obras filantrópicas.

A sangrenta batalha ocorrida, em 1859, em Solferino e o manuscrito de Jean Henry Dunant originaram o nascimento de um movimento humanitário que se estendeu a todos os cantos da terra - A Cruz Vermelha e o Crescente Vermelho.

Em sua homenagem, o dia do seu nascimento é comemorado em todo o mundo como o Dia Mundial da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.


Bibliografia

Brown, Pam, Henry Dunant: O Fundador da Cruz Vermelha. Sua compaixão salvou milhares de vidas, Grã-Bretanha, 1988, 64 p.

Cruz Vermelha Portuguesa, Cruz Vermelha Portuguesa, in Revista da Protecção Civil, nº 5, Lisboa, 1995, p.19-24

Ligue des Sociétès de la Croix-Rouge et du Croissant-Rouge; Comité International de la Croix-Rouge, Dossier pédagogiques de la Croix-Rouge: Histoire de la Croix-Rouge, [Genève], [1977], 250 p.


Prémios Nobel


1901 - Prémio Nobel da Paz atribuído a Henry Dunant
O Prémio Nobel da Paz foi atribuído pela primeira vez. Os dois galardoados foram o fundador da Cruz Vermelha, Henry Dunant, e um pacifista francês, Frederic Passy.


1917 - Prémio Nobel da Paz atribuído ao CICV
O Comité Internacional da Cruz Vermelha foi contemplado com o Prémio Nobel da Paz. Foi o único Prémio Nobel da Paz atribuído durante a I Guerra Mundial.

1944 - Prémio Nobel da Paz atribuído ao CICV
Foi atribuído ao Comité Internacional da Cruz Vermelha este prémio como reconhecimento da sua actividade ímpar no decurso da II Guerra Mundial.

1963 - Prémio Nobel da Paz atribuído conjuntamente ao CICV
e à FICV
Ano que marcou o centenário da fundação da Cruz Vermelha, o Prémio da Paz galardoou conjuntamente o Comité Internacional da Cruz Vermelha e a então Liga das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (a actual Federação Internacional).

_________________
Abraço,
"Osvaldo Tavares"
"Legio Pátria Nostra"
http://www.legion-recrute.com/pt
http://www.cruzvermelha.pt
"Que nunca por vencidos se conheçam"
Voltar ao topo
Google
AdSense






Posto: Cruz Vermelha
Corpo de Bombeiro: Coordenador Regional Plataforma Emergência nº2

MensagemColocada: Qua Out 29, 2008 8:21 pm    Assunto:
Click Aqui para Ajudar O site
   





Cursos: Tripulante de Ambulância de Transporte, Salvamento e Desencarceramento, Tripulante de Ambulância de Socorro, Gestão de Conflitos, Gestão de Stress, Ambiente Saúde Higiene e Segurança, Formação Pedagógica Inicial de Formadores, Formador de Tripulantes de Ambulância de Transporte, Gestão Operacional, Topografia Aplicada, Curso Especial Condução Profissional / CAT(Curso Aperfeiçoamento em Trauma)
Voltar ao topo
Mostrar os tópicos anteriores:   
Novo Tópico   Responder a Mensagem    Índice do Fórum www . Bombeiros - Portugal . net Cruz Vermelha Portuguesa Todos os tempos são GMT
Página 1 de 1

 
Ir para:  
Neste fórum, você Não pode colocar mensagens novas
Não pode responder a mensagens
Não pode editar as suas mensagens
Não pode remover as suas mensagens
Você Não pode votar neste fórum
Você não pode anexar ficheiros neste fórum
Você não pode baixar ficheiros neste fórum



Powered by phpBB © 2001, 2005 phpBB Group
Layout por ViPeR5000
Googlepage: GooglePullerPage
eXTReMe Tracker


CSS Valid PHP Valid CSS Valid
server monitor

[ Time: 0.1750s ][ Queries: 28 (0.0163s) ][ Debug on ]